As ações do Facebook caíram quase 18% desde que a empresa reconheceu que os dados dos usuários foram usados na campanha presidencial

Escândalo Facebook


O presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, planeja testemunhar diante do Congresso dos Estados Unidos, disse uma fonte a par do assunto nesta terça-feira (27), com a pressão de autoridades para que ele explique como 50 milhões de dados de usuários acabaram nas mãos de uma consultoria política.


Parlamentares dos EUA e da Europa estão exigindo saber mais sobre as práticas de privacidade da empresa após um delator afirmar que a consultoria Cambridge Analytica acessou indevidamente dados para traçar perfis de eleitores norte-americanos e britânicos antes de eleições.


O Facebook disse nesta terça-feira que a empresa recebeu convites para testemunhar perante o Congresso e que eles estavam conversando com parlamentares.


A porta-voz do Comitê de Energia e Comércio da Casa Branca, Elena Hernandez, disse: “O comitê continua a trabalhar com o Facebook para determinar o dia e a hora em que Zuckerberg vai testemunhar”.


No mesmo dia, Zuckerberg recusou convites para explicar ao comitê parlamentar britânico.


A empresa disse que, em vez disso, enviaria um de seus representantes, sugerindo que o diretor de tecnologia, Mike Schroepfer, ou o diretor de produtos, Chris Cox, tinham conhecimento para responder a perguntas sobre o assunto.


O chefe do comitê chamou a decisão de Zuckerberg de “espantosa” e insistiu para que ele repensasse.


As ações do Facebook fecharam em baixa de 4,9% nesta terça-feira e caíram quase 18% desde 16 de março, quando o Facebook reconheceu que os dados do usuário foram indevidamente canalizados para Cambridge Analytica, que foi contratada pela campanha presidencial de 2016 de Donald Trump.



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here