Em nota divulgada na noite da sexta-feira (7), a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) se posicionou sobre a hipótese de o Museu Nacional ser retirado de sua administração.


O Museu Nacional teve quase a totalidade de suas instalações e seu acervo histórico e científico destruída por um incêndio no dia 2 de setembro.


Reportagem do jornal O Estado de S. Paulo publicada na sexta-feira (7) mostrou que o presidente Michel Temer estuda editar uma medida provisória para retirar o museu da alçada da universidade, depois que empresários e banqueiros demonstraram preocupação com a gestão da entidade.


PF usa escaneamento 3D para investigar incêndio no museu


“Qualquer medida dedicada a retirar da UFRJ o Museu Nacional representaria ato arbitrário e autoritário contra a autonomia universitária e a comunidade científica do país. O Museu Nacional não é uma instituição dedicada exclusivamente à guarda de acervo. Além da guarda da memória, da cultura do país e do mundo, ali se produz conhecimento, ciência de ponta reconhecida pela Capes com a nota 7, maior índice de avaliação possível para uma instituição acadêmica no Brasil”, diz a nota da UFRJ.


Incêndio no Museu Nacional não destruiu anexo com coleções raras


“O Museu Nacional é uma unidade da UFRJ dedicada a ensino, pesquisa e extensão, cuja indissociabilidade é prevista no artigo 207 da Constituição Federal. O corpo altamente qualificado de docentes, pesquisadores, estudantes e servidores técnico-administrativos em educação do Museu jamais poderia se submeter a uma organização social ou qualquer outra instituição que não seja a UFRJ.”








DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here