O FBI, a polícia federal americana, alertou nesta semana que hackers estrangeiros haviam comprometido “centenas de milhares de roteadores de casas e escritórios” com o malware VNPFilter e recomendou que usuários em todo mundo reiniciassem seus aparelhos.


Malwares são softwares maliciosos programados para se infiltrar em um computador alheio de forma ilícita. Segundo o FBI, esse programa específico é capaz de bloquear o tráfico da internet, coletar informações que passam pelos roteadores e deixar este inoperante.





“O FBI recomenda a qualquer proprietário de roteadores em escritórios pequenos e casas que reinicie seus aparelhos para interromper temporariamente um malware e ajudar com a possível identificação de dispositivos infectados”, disse a agência em um comunicado oficial e também na conta do Twitter.






Caso não seguissem a orientação, usuários corriam o risco de ter seus roteadores fora de operação e perder o acesso à internet, segundo o FBI.


Estima-se que pelo menos 500 mil roteadores foram afetados em 54 países, de acordo com o grupo Cisco Talos, especializado em segurança cibernética, que há meses investiga esse programa malicioso. A lista dos países afetados não foi revelada.


“Os dispositivos conhecidos afetados pelo VPNFilter são equipamentos de Linksys, MilkroTik, NETGEAR e TP-Lynk em escritórios pequenos e em casas. Nossa investigação continua”, detalhou a Cisco em um comunicado no dia 23 de maio.


A Cisco também recomendou aos usuários de internet que restabeleçam as configurações originais de fábrica de seus dispositivos e reiniciem seus roteadores.


Mas por que é necessário tomar essas medidas?


Potencialmente destrutivo


O Departamento de Justiça dos Estados Unidos atribuiu o ataque a um grupo conhecido como “Sofacy”, mas também é chamado de “apt28” ou “fancy bear”.


O Sofacy existe desde 2007 e, segundo um comunicado do Departamento de Estado americano, opera contra “governos, exércitos, organizações de segurança e outros grupos que lidam com inteligência”.


O jornal americano The New York Times diz que serviços de inteligência dos EUA e da Europa acreditam que o grupo “seja dirigido pela agência de inteligência militar da Rússia”, e que esteve por trás dos ataques ao Comitê Nacional do Partido Democrata antes das eleições presidenciais de 2016.


O FBI disse que o impacto desse malware é significativo. Ele é capaz de recolher informações que passam pelos roteadores e de torná-los inoperantes.





A Cisco advertiu que o malware tem “potencial de cortar o acesso à internet de centenas de milhares de vítimas em todo o mundo”.


A empresa divulgou as informações depois de detectar um aumento repentino no número de roteadores vulneráveis no início de maio, em especial na Ucrânia.


“Temos observado o VPNFilter, um malware potencialmente destrutivo que está afetando dispositivos ucranianos a um ritmo alarmante”, assinalou a Cisco. “A escala e a capacidade desta operação são preocupantes”, completou.


O código VPNFilter tem algumas semelhanças com o malware Black Energy, usando em ataques à rede elétrica na Ucrânia em dezembro de 2015.





Dessa vez, contudo, o FBI parece ter frustrado os preparativos para um novo ataque. No dia 23 de maio, um juiz federal da Pensilvânia (EUA), ordenou que o FBI tomasse o controle do domínio ToKnowAll.com, uma página de internet que ajudava hackers a estabelecer comunicação com os roteadores infectados.


Os equipamentos afetados se conectavam periodicamente com esse endereço para atualizar o VPNFilter. Ao assumir o controle do domínio, o FBI passou a ter capacidade de localizar dispositivos infectados e de limpá-los.


“Isso irá redirecionar as tentativas do malware de reinfectar o dispositivo para um servidor controlado pelo FBI, que irá capturar o endereço dos dispositivos infectados”, esclareceu o Departamento de Justiça.


Reiniciar roteadores, como pediram o FBI e a Cisco, ajuda que o programa peça “instruções” ao domínio, que agora está sob o controle da polícia federal americana.


O Departamento de Justiça explicou que a medida “maximiza as oportunidades de identificar e remediar que equipamentos sejam infectados em todo o mundo antes que a Sofacy se aproveite da vulnerabilidade” da infraestrutura.



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here