Nada melhor que ganhar algo de graça, exceto fones de ouvido portáteis. Ainda que a maioria dos smartphones venha equipada com fones de ouvido de baixa qualidade, 50% deles não saem da caixa, segundo pesquisadores do Diffusion Group.

Em lugar disso, americanos gastaram quase US$ 4 bilhões (R$ 14,8 bilhões) em fones melhores em 2018.

A mais recente e mais portátil das soluções sonoras? Óculos de sol. Antes que você proteste, resmungando “Google Glass” —a infame tentativa do gigante da tecnologia para dar aos óculos um propósito mais elevado—, saiba que o aparelho em questão foi criado pela Bose, a mais conhecida entre as fabricantes de produtos de som de alta qualidade. 

Os elegantes óculos escuros inteligentes da empresa, conhecidos como Frames, contam com microacústica em cada barra lateral, para transmitir música aos ouvidos do usuário.

“Queríamos descobrir uma maneira de oferecer áudio excelente, mas sem enfiá-lo na cabeça do usuário”, disse Mehul Trivedi, diretor na Frames.

Os minúsculos alto-falantes, combinados a um smartphone, prometem uma experiência sonora de imersão que supera a dos fones de ouvido comuns, transmitindo “som para o usuário, mas para ninguém mais”, nas palavras de Trived. A verdade é que o Bose Frames não cumpre tudo o que promete.

Quando os coloquei, as pessoas ao meu redor ficaram expostas ao som residual. O pior é que o ruído ambiente pareceu se sobrepor aos graves e agudos da música.

Do lado positivo, ele é muito leve, se considerarmos tudo o que abarca: sistema acústico, microfone, bluetooth, bateria com duração de até 12 horas. Posso dizer que vicia, e os usei sempre que saí ao sol.

Ao menos que você não se incomode de usar óculos escuros à noite, o Frames não é tão versátil quanto o Apple AirPods —e custa salgados US$ 199 (R$ 740).

 

The Wall Street Journal, traduzido do inglês por Paulo Migliacci



LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here