Depois de ser sabatinado por 10 horas pelos deputados e senadores norte-americanos, Mark Zuckerberg, o presidente-executivo do Facebook, irá nesta terça-feira (22) ao Parlamento Europeu para esclarecer como a rede social trata os dados de seus usuários e qual é o impacto de seu funcionamento sobre o processo eleitoral entre os 28 países da União Europeia.

O presidente do Facebook falará diante dos principais líderes do corpo legislativo do bloco europeu pela primeira vez. Ele encontrará os integrantes do Comitê de Liberdades Civis, Justiça e Assuntos Domésticos, alguns chefes políticos e o presidente da Casa, Antonio Tajani.

A maior rede social do mundo passa por um forte escrutínio em relação à forma como lida com dados pessoais desde que foi revelado como a consultoria britânica Cambridge Analytica acessou indevidamente os dados de 87 milhões de usuários. Com essas informações em mãos, a firma, que trabalhava para a campanha de Donald Trump à presidência dos Estados Unidos em 2016, criou mecanismos para rastrear o posicionamento político dessas pessoas e conseguir mudá-lo.

“A prioridade do Parlamento é assegurar o funcionamento apropriado do mercado digital, com um alto nível de proteção dos dados pessoais, regras efetivas de direitos autorais e proteção do direito dos consumidores. Gigantes da web devem ser responsáveis pelo conteúdo que publicam, incluindo aqueles que descaradamente sejam notícias falsas e conteúdo ilegal”, pontuou Tajanji, em nota.

Em abril, Zuckerberg foi ao Senado e no dia seguinte à Câmara dos Estados Unidos. Os questionamentos dos congressistas norte-americanos giraram em torno de como a rede social garante que seus usuários não tenham informações usadas para manipulá-los



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here