Cerca de 50 executivos de empresas de tecnologia, incluindo o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, reuniram-se com o presidente francês, Emmanuel Macron, nesta quarta-feira (23). O encontro chamado de “Tech for Good” tinha como objetivo discutir assuntos como educação, saúde e emprego. 


Após a foto com todos os executivos presentes, Macron fez um breve discurso de cobrança, mas em tom bem-humorado. 


“Obrigado por estarem aqui, mas como vocês sabem, não existe almoço grátis”, brincou o presidente francês. “Eu acho que é muito importante termos certeza sobre o que podemos fazer para melhorar questões sociais, a desigualdade, a mudança climática e assim abordaremos juntos essas questões coletivas”, completou.




Após o encontro, Mark Zuckerberg postou em seu perfil no Facebook um agradecimento a Macron.


O fundador do Facebook disse que foi uma boa conversa sobre a França ser um centro de inovação na Europa. E garantiu “nós vamos continuar investindo na França nos próximos ano”. 


O presidente francês já afirmou que quer que o país seja uma “nação startup”.



Entre os executivos que foram convidados para ir ao Palácio do Eliseu estavam: Satya Nadella (Microsoft), Dara Khosrowshahi (Uber), Ginni Rometty (IBM), Bill McDermott (SAP) e Jimmy Wales (Wikimedia).


Rota do perdão


Zuckerberg foi ao evento na França após ser sabatinado no Parlamento Europeu, na última terça-feira (22), sobre segurança e privacidade na rede social. Durante a sessão, ele pediu desculpas e assumiu a lentidão do Facebook para identificar problemas e tomar atitudes.


Em abril, o CEO da rede social foi ao Congresso dos EUA prestar esclarecimentos sobre o uso irregular de dados da rede social na eleição dos EUA, em 2016. Na ocasião, reconheceu os erros para garantir a segurança dos dados e pediu desculpas pelo ocorrido.


O Facebook está sendo pressionado por autoridades internacionais para garantir que os dados dos usuários da plataforma estão seguros. Em março deste ano, foi noticiado o vazamento de informações pessoais de 87 milhões de pessoas pela consultoria britânica Cambridge Analytica. 



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here