A empresa de segurança Radware revelou que golpistas publicaram links no Facebook para disseminar extensões maliciosas para o navegador Google Chrome, do Google. Os links publicados no Facebook pelos usuários infectados levam uma página falsa que copia a aparência do YouTube, mas exige — falsamente — a instalação de uma extensão para reproduzir o vídeo.

Segundo a Radware, foram infectadas 100 mil pessoas em 100 países diferentes. Os três países mais infectados eram as Filipinas, Venezuela e Equador. Juntos, os três eram responsáveis por 75% das contaminações.

Pedido de instalação de extensão do Chrome sobre site com aparência copiada do YouTube (Foto: Radware)

O Chrome só permite a instalação de extensões cadastradas na Web Store, que é mantida pelo próprio Google. Para conseguir listar as extensões maliciosas na loja, os golpistas copiaram extensões legítimas e injetaram um código extra, dando a aparência de uma extensão verdadeira.

O nome do golpe, que a Radware batizou de “Nigelthorn”, é baseado na Nigelify, uma extensão legítima para o Chrome que foi copiada pelos criminosos.

Uma vez instalada, a extensão é capaz de realizar várias atividades, incluindo:

Roubar senhas de acesso ao Facebook/Instagram;
Publicar e enviar mensagens no Facebook/Instagram (o que é usado para atrair novas vítimas);
Mineração de criptomoeda, o que gera lucro para os invasores;
“Assistir” a vídeos no YouTube (de forma invisível) ou inscrever a vítima em canais sem autorização;
Redirecionar o navegador para abrir páginas específicas.

As extensões maliciosas já foram removidas da Chrome Web Store, mas internautas devem ter cuidado ao instalar qualquer extensão do Chrome, especialmente quando o pedido da instalação vier de sites fora da Web Store.

SAIBA MAIS
Como as extensões se tornaram o ponto fraco do Chrome
Milhões de internautas baixam falso bloqueador de anúncios

Dúvidas sobre segurança, hackers e vírus? Envie para g1seguranca@globomail.com



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here