Após o escândalo envolvendo a forma como o Facebook trata as informações de seus usuários, muitas pessoas relataram que a rede social coletou nos últimos anos muitos de seus dados pessoais, como histórico de ligações e conteúdo de SMS.

Veiculada pelo “The Verge”, a informação dá conta apenas de apps instalados em aparelhos que rodam Android. Isso não quer dizer que a rede social no sistema operacional da Apple, o iOS, não colete informações.

Como o Android exibe todas as solicitações de dados feitas por serviços, o G1 listou, a partir da Google Play, todos os tipos de dados a que o aplicativo do Facebook tem acesso, quando autorizado pelos usuários. São 46 permissões, como a de checar compromissos registrados na agenda (veja mais abaixo).

Um dos casos foi contado por Dylan McKay, programador que mora na Nova Zelândia. Após fazer o download dos dados da própria conta do Facebook, eles descobriu que o arquivo tinha um histórico de ligações e também metadados de mensagens enviadas e recebidas pelo celular. Os metadados não são informações do conteúdo da mensagem, mas dados adicionais, como:

Para que alguns de seus recursos funcionem, o Facebook pede permissões a alguns recursos do smartphone, como câmera, microfone e armazenamento. Ele também solicita acesso a bases de dados presentes no aparelho e serviços, como a lista de contatos, e a serviços, como a agenda e ao SMS.

Em 17 de março, os jornais “New York Times” e “Guardian” revelaram que os dados de mais de 50 milhões de usuários do Facebook foram usados sem o consentimento deles pela Cambridge Analytica. A empresa de análise de dados acessou esse grande volume de dados após um teste psicológico que circula na rede social coletar as informações. Os dados recolhidos não eram apenas os de usuários que fizeram o teste, mas também os de seus amigos.

O escândalo cria dúvidas quanto à transparência e à proteção de dados dos usuários do Facebook. A rede social comunicou que investigaria o caso. O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, reconheceu que a emprese cometeu erros.

A empresa Cambridge Analytica trabalhou ainda com a equipe responsável pela campanha de Donald Trump à Presidência dos Estados Unidos, nas eleições de 2016. Também foi contratada pelo grupo que promovia a saída do Reino Unido da União Europeia.

Nesta sexta-feira (23), uma revista na sede da Cambridge Analytica durou cerca de sete horas. A batida foi do órgão regulador encarregado da proteção de dados privados na Grã-Bretanha. Nos Estados Unidos, usuários estão processando o Facebook e a Cambridge Analytica.

O escândalo que envolve o Facebook foi prejudicial para os ativos da empresa na Bolsa de Valores. Os papéis da empresa chegaram a cair 9,15%. A empresa perdeu mais de US$ 49 milhões em valor de mercado em apenas dois dias.



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here