O Facebook afirmou nesta quarta-feira (4) que dados de 87 milhões de pessoas foram explorados pela Cambridge Analytica, contra 50 milhões da estimativa anterior.


Segundo o diretor de tecnologia da empresa, Mike Schroepfer, a maior parte dessas pessoas moram nos Estados Unidos.


A informação aumenta as chances desses dados terem sido explorados na campanha de Donald Trump, em 2016, uma vez que a Cambrige trabalhou com o candidato.


O executivo não divulgou em seu blog como chegou aos números divulgados, mas informou que a rede social avisará a todos os usuários afetados pelo problema.



A empresa enfrenta uma de suas maiores crises, e Mark Zuckerberg chegou a dizer que a rede social levará “alguns anos” para ser consertada.


No mês passado, o Facebook reconheceu que dados de milhões de pessoas terminaram incorretamente nas mãos da Cambrige Analytica. Desde a divulgação do problema, as ações da empresa já caíram 16%.


Até o momento, a Cambridge Analytica negou qualquer irregularidade no uso dos dados. A consultoria afirma que contratou um professor universátio “de boa fé” para coletar os dados da mesma maneira praticada usualmente por qualquer aplicativo de terceiro.



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here