Foi só na última década que pesquisadores e médicos conseguiram compreender um pouco melhor as doenças que hoje são chamadas de urticárias crônicas.

Elas são caracterizadas pela presença persistente das urticas, manchas saltadas e avermelhadas na pele, de diversos tamanhos, que surgem e desaparecem. Também podem aparecer angioedemas, inchaço em partes do corpo, como genitais, lábios e orelhas.

Diferente do que se pensava, não se trata de uma condição rara. Estimativas dão conta que entre 0,5% e 1% das pessoas são afetadas, algo entre 1 milhão e 2 milhões de brasileiros.

Essas idas e vindas de manchas vermelhas pruriginosas (que causam coceira intensa) podem ter algum fator desencadeante —algo que tem que ser investigado pelo paciente em parceria com o médico— ou se dar sem razão aparente.

Nesse último caso, ela recebe o nome de urticária crônica espontânea (UCE) e o que os cientistas descobriram é que ela é causada por uma reação autoimune do organismo. Isto é, o sistema imunológico ataca o próprio corpo, sem que haja um estímulo externo.

Uma pesquisa feita pelo instituto Ipsos entrevistou 1.200 pessoas e concluiu que apenas 1% dos respondentes conseguem relacionar o defeito do sistema imunológico à UCE. Boa parte associa a condição ao stress e ao consumo de determinados alimentos, por exemplo, que não são causas.

A UCE representa dois terços de todas as urticárias crônicas, e afeta duas vezes mais mulheres do que homens.

A doença aparece em qualquer fase da vida, mas geralmente surge entre os 20 e 40 anos de idade, por um período que pode durar de um a cinco anos. Há casos, porém, em que pacientes viveram mais de uma década com os sintomas sem saber do que sofriam.

Uma iniciativa busca promover o conhecimento sobre a UCE entre leigos e médicos. Celebridades como o ator Eriberto Leão, o rapper Gabriel O Pensador e o apresentador e judoca Flávio Canto apoiam a campanha Tudo Sobre UCE, que é patrocinada pela farmacêutica Novartis. No último dia 5, o Cristo Redentor ganhou uma iluminação especial, que o fez “vestir a camisa” da campanha.

A qualidade de vida é severamente prejudicada pela doença, provocando deterioração do sono, da vida social, da produtividade e das relações amorosas, o que é agravado pelo tempo até obter um diagnóstico certeiro —que pode demorar cinco anos.

O tratamento farmacológico da UCE tende a ser eficaz em mais de 90% dos casos e envolve a utilização de anti-histamínicos de segunda geração sozinhos ou em associação com as drogas omalizumabe ou ciclosporina.

Abaixo, um vídeo da campanha Tudo Sobre UCE:

Neste outro vídeo, em uma espécie de experimento social, é possível ver as reações das pessoas ao contato com alguém que tem UCE, que não é uma doença contagiosa:


Gostou? Compartilhe. Não gostou? Quer desabafar? Elogiar? Tem algo novo para me contar? Comente abaixo ou escreva para cadeacura (arroba) gmail (ponto) com.

Clique aqui e receba todas as novidades do blog

Você pode acessar (e divulgar) o blog Cadê a Cura? pelo endereço folha.com/cadeacura

Leia posts recentes:

‘Antes do Viagra, pensava-se que a disfunção erétil era psicológica’, diz pesquisador

Já pensou em ser voluntário em uma pesquisa científica?

Correntes sobre saúde em redes sociais fazem mais mal do que bem



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here