O ano era 1968 quando um professor de psicometria, Julian Stanley, se deparou com um menino gênio de 12 anos que estava fazendo um curso de Ciência da Computação na Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos.


A criança, Joseph Bates, era brilhante – mas entediada. Ele estava muito à frente dos estudantes de sua idade.



Leia também: 8 maneiras de melhorar a capacidade do seu cérebro


Inspirado por esse prodígio, Stanley iniciou um longo estudo que duraria 45 anos, acompanhando o desenvolvimento de crianças superdotadas que incluiria nomes como Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, e a cantora Lady Gaga.



Então, o que aconteceu com Joseph Bates? Ele se deu muito bem.


Ele continuou a estudar, completou um doutorado, lecionou em uma universidade e agora se tornou um “pioneiro em inteligência artificial”.


Stanley deu início ao projeto no Johns Hopkins University’s Center for Talented Youth (Centro para Jovens Talentosos da Universidade Johns Hopkins), em Baltimore. Batizado de Estudo de Jovens Matematicamente Precoces (SMPY, da sigla em inglês), o programa acompanhou a trajetória de mais de 5 mil crianças superdotadas.


Leia também: Pela primeira vez em 50 anos, astronauta da NASA pede demissão


Foi por meio desse trabalho que ele chegou a descobertas surpreendentes.



O estudo vai contra a antiga crença de que “a prática leva à perfeição”, segundo a qual você pode se tornar um especialista em alguma coisa contanto que trabalhe duro e tenha foco.


Em vez disso, o SMPY sugere que a capacidade cognitiva inicial – como resolver problemas e tomar decisões corretas – tem mais efeito sobre a conquista do que a prática ou até mesmo o status socioeconômico de uma pessoa.


É por isso que é importante estimular as habilidades da criança desde cedo – mas sem pressionar aquelas que se mostram mais inteligentes que a média para que se tornem “gênios”.


Leia também: O que são as ‘revolucionárias’ biobaterias, que usam papel e bactérias para gerar energia


Isso poderia “levar a todos os tipos de problemas sociais e emocionais”, de acordo com educadores.


Mas, se você quer incentivar e manter seus filhos felizes ao mesmo tempo, os especialistas têm algumas recomendações:



1) Exponha seu filho a experiências diversas


Crianças com alta inteligência geralmente precisam de novidades para se manterem motivadas.


Aumentar experiências de vida, além de contribuir nesse sentido, ajudaria a criança a desenvolver a confiança para lidar com o mundo.


Psicólogos dizem que o conforto vem de se apegar ao que é familiar. É preciso coragem para tentar algo diferente.



 2) Estimule seus talentos e interesses


Seja um novo esporte, um instrumento ou uma aula de teatro, permitir que seus filhos explorem os talentos desde cedo os ajudará a desenvolver habilidades importantes, como a resiliência.


Não os force a “ser algo” que eles não são.



3) Apoie as necessidades intelectuais e emocionais do seu filho


A curiosidade é a essência de todo aprendizado.


Leia também: Estudo indica que cabras reconhecem pessoas felizes


As crianças podem fazer muitas perguntas antes de começarem na escola e, embora sua paciência para responder a todas as questões possa ser um pouco escassa, isso é muito importante para o desenvolvimento delas.


Quanto mais “porquês” e “comos” eles perguntarem, melhor será o desempenho na escola.



4) Elogiar esforço, não habilidade


Ajude as crianças a desenvolverem uma “mentalidade de crescimento”, comemorando a aprendizagem, e não o resultado em si.


As crianças aprendem a reagir às coisas através de seus pais.


Leia também: Fabricante russa do fuzil AK-47 lança carro elétrico para concorrer com a Tesla, de Elon Musk


Portanto, seja sobre aprender a falar um novo idioma ou até mesmo andar de bicicleta, a disposição para aprender é um comportamento positivo que deve ser estimulada.



5) O fracasso não é algo a ser temido


Os erros devem ser tratados como blocos de construção para o aprendizado.


Aprender com eles deve ser tratado como uma oportunidade para crescer, pois ajudará as crianças a entender como elas podem abordar melhor o problema da próxima vez.



6) Cuidado com os rótulos


Rótulos só irão diferenciar seu filho de outras crianças.


Isso poderia não apenas levá-los ao bullying, mas também adicionar imensa pressão de ser uma decepção.



7) Trabalhe com os professores para atender às necessidades do seu filho


Alunos inteligentes geralmente precisam de material mais desafiador, apoio extra ou liberdade para aprender em seu próprio ritmo.


Trabalhar em torno dos sistemas educacionais atuais para atender às suas necessidades é muito importante.



8) Teste as habilidades do seu filho


Isso pode dar suporte aos pais que quiserem fazer um trabalho mais avançado de desenvolvimento dos talentos da criança e pode ainda revelar problemas como dislexia, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade ou desafios sociais e emocionais.


Mas como saber se seu filho é superdotado?


Aqui estão alguns sinais, segundo a sociedade de alto QI, Mensa:


– Uma memória incomum


– Leitura precoce


– Passatempos ou interesses incomuns ou um conhecimento profundo de determinados assuntos


– Consciência de eventos mundiais


– Faz perguntas o tempo todo


– Senso de humor evoluído


– Musical


– Gosta de estar no controle


– Inventa regras adicionais para jogos


Leia também: Conheça 7 invenções brasileiras que podem virar realidade em breve





DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here