Brinquedões divertidos que rendem as melhores imagens aéreas, os drones cada vez mais caem no gosto dos brasileiros. Ainda mais agora, com a chegada ao Brasil de modelos que, dobráveis e leves, cabem na mochila, ou mesmo os que retornam à mão do dono automaticamente, antes que a bateria acabe.


Mas você sabia que não pode sair pilotando um drone em qualquer lugar e sem orientação? Drones precisam de registro, e você, de autorização. O ideal mesmo é fazer um treinamento antes de começar a pilotar.


Para ajudar o internauta. o R7 Tecnologia e ciência buscou dois especialistas no assunto e tirou 10 dúvidas sobre esses equipamentos. São eles Luiz Fernando Vitorelo, diretor Max Drone Brasil, que trabalha na área desde 2002, e Cinzia Palumbo, gerente sênior na DJI, que acaba de lançar o drone mais portátil já criado, no Brasil, o Mavic Air, que voa, tira foto e edita um clipe automaticamente.


“Pilotos recreativos precisam observar algumas regras para garantir segurança. Não podem voar sobre grupos de pessoas e nas proximidades de aeroportos e helipontos. Alguns aparelhos já vêm com tecnologia de localização geográfica que impede que os usuários decolem nas proximidades dos aeroportos, que são classificados como No-Fly Zones”, reforça Cinzia Palumbo.


Vamos às dúvidas:


1) Qualquer pessoa pode pilotar um drone?


Luiz Fernando: Sim, a pilotagem de um drone é simples, porém a falta de treinamento e leitura do manual, assim como a desobediência à regulamentação e recomendações de segurança, são os principais fatores de acidentes.


2) É preciso tirar alguma autorização especial?


Luiz Fernando: Todos os drones mais pesados que 250 gr devem ser homologados pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) e registrado na Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).


Qualquer voo deve ser informado e autorizado pelo Decea (Departamento de Controle do Espaço Aéreo). Voos acima de 120 metros de altura precisam de autorização especial. 


3) É possível perder um drone porque ele acaba bateria e cai?


Cinzia Palumbo: Muitos drones usam baterias inteligentes. Esta tecnologia não só é capaz de avisar o piloto quando os níveis da bateria são baixos, como também tem a função chamada RTH (Retornar Para Casa, em português), que faz o dispositivo voltar automaticamente ao local de decolagem caso a bateria esteja abaixo de uma certa porcentagem.


Luiz Fernando: É muito raro acontecer, pois os drones possuem um sistema automatizado que informa ao piloto que a bateria está se esgotando.


4) Valores. De quanto a quanto é possível encontrar um drone no Brasil?


Cinzia Palumbo: O preço varia de acordo com o desempenho do voo, recursos de imagem e recursos inteligentes. Variam a partir de R$ 2.000.  O lançamento mais portátil começa a partir de R$ 4.200, já outro drone maior, para usuários profissionais, tem o custo a partir de cerca de R$ 9.900.



5) É possível machucar ou matar alguém porque um drone despencou?


Luiz Fernando: Em casos de quedas, seja por falha mecânica ou humana, a queda de um drone causar ferimentos. Insisto na importância de treinamento, conhecimento das capacidades e limites da aeronave, assim como respeito à regulamentação.


6) Pode pilotar o drone em qualquer lugar?


Luiz Fernando: Existem locais com restrições para o voo. Alguns equipamentos, inclusive, são bloqueados próximos a aeroportos. Drones registrados como comerciais devem voar a uma distância mínima de 30 m de pessoas e edificações. Os registrados para uso recreativo são proibidos de voar próximo a aglomerados de pessoas.


7) Onde mais é proibido pilotar?


Cinzia Palumbo: Não devem ser pilotados em perímetros que possuem um campo eletromagnético forte – por exemplo, perto de torres de alta tensão e antenas de transmissão.


Voos sobre refinarias, depósitos de combustível, penitenciárias, plataformas de exploração de petróleo e áreas militares também são proibidos, ao menos que haja uma autorização.


8) E em parques com fauna protegida, o uso do drone estressa os animais?


Cinzia Palumbo: Em alguns parques nacionais ao redor do mundo, os usuários recreativos não podem voar seus drones pois sua presença pode perturbar a vida selvagem.


No entanto, os drones estão sendo cada vez mais utilizados por funcionários de parques e grupos de conservação para monitorar e mapear o ambiente, lutar contra incêndios florestais e outros.



9) Existe seguro para drone? Vale a pena fazer?


Cinzia Palumbo: Existem diversas seguradoras. A necessidade de um seguro depende da usabilidade e necessidade do consumidor. Para uso recreativo não é exigido.


Luiz Fernando: O Seguro Aeronáutico Reta, contra danos a terceiros, é obrigatório para drones de uso comercial. Custa cerca de 25% do valor do equipamento. Dependendo de como o drone for utilizado, vale a pena investir no seguro.

10) Para amadores, o que é indispensável verificar antes de comprar um aparelho?


Cinzia Palumbo: O desempenho do voo é crucial e abrange tempo, amplitude e velocidade. A portabilidade também é importante, pois você quer levar seu drone com você. Leve em conta a qualidade da câmera. Se você estiver interessado em fotografia, considere câmera 4K com estabilização de 3 eixos, para fotos com nitidez e estabilizadas.


Características inteligentes, como a prevenção de obstáculos, dão a todos os usuários mais confiança para voar. Modos de voo inteligentes também são importantes para criar boas imagens sem a necessidade de ser um piloto experiente.


Batalha de drones anima o público da Campus Party 2018



LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here