A história da humanidade pode ser contada como uma história de expansão territorial. Nossos antepassados saíram das savanas africanas e se espalharam pelo planeta. Exploradores intrépidos chegaram aos pontos mais distantes do planeta, os mais altos e os mais profundos.

Mesmo que ainda reste muito a ser descoberto na Terra (e as profundezas dos oceanos são a maior incógnita), a partir de meados do século passado, nossos olhos se voltaram ao espaço. É lá que está a fronteira moderna da exploração, e é para lá que estamos indo, mesmo que ainda a passos tímidos.

O que mudou nos 500 anos entre, digamos, Cabral e a Nasa, é que criamos combustíveis artificiais para viajar mais rápido e eficientemente. No espaço, claro, temos que usar nossos próprios meios de propulsão, visto que não existem ventos a soprar velas. (Existe, entretanto, a possibilidade de se usar o que chamamos de vento solar, a radiação que vem do Sol e que pode impulsionar veleiros espaciais. Escrevi sobre isso na minha antiga coluna micro/macro em 2005).

O ponto é que nossas espaçonaves estão ficando cada vez mais eficientes, especialmente agora que a iniciativa privada entrou de vez na corrida espacial, como vemos com a empresa SpaceX do bilionário Elon Musk, também dono da Tesla.

No dia 18 de abril, um foguete Falcon 9, da SpaceX , levou o novo satélite caçador de exoplanetas —chamado Tess (do inglês “Transit Exoplanet Survey Satellite”, algo como “satélite de busca por exoplanetas usando a técnica de trânsito”) —em direção à sua órbita em torno da Terra, onde deve chegar em meados de junho. Exoplanetas são planetas girando em torno de estrelas que não o Sol.

O novo satélite continua o levantamento de exoplanetas iniciado pelo satélite Kepler, que, durante 2009 e 2013, monitorou cerca de 150 mil estrelas numa região estreita do céu, descobrindo 2.650 exoplanetas.

O objetivo principal das duas missões é identificar, dentre os vários exoplanetas descobertos, aqueles que oferecem as condições mais propícias para a existência de vida: temperaturas relativamente bem reguladas, água líquida, e, talvez, metano e oxigênio na atmosfera, assinaturas da vida que conhecemos aqui.

Os dois satélites usam a mesma técnica para caçar exoplanetas, conhecida como trânsito, que não tem nada a ver com os engarrafamentos nas cidades. Tal qual quando um mosquito voa em frente a um farol de carro, a luz de uma estrela sofre uma pequena redução quando um planeta passa à sua frente.

As quatro câmeras do Tess monitoram essa redução do brilho e sua duração, metaforicamente buscando pelas sombras de outros mundos. Com isso, astrônomos podem determinar a distância relativa da órbita do planeta e seu tamanho.

A diferença essencial entre Kepler e Tess, fora, claro, uma tecnologia mais avançada e sensível, é que Tess focará sua atenção em 200 mil estrelas bem mais próximas do nosso Sistema Solar, estudando praticamente o céu inteiro à nossa volta. Com isso, outras missões e telescópios terrestres poderão estudar em detalhe os candidatos mais promissores à existência de vida.

Em particular, os candidatos identificados pela missão Tess serão analisados pelo telescópio espacial James Webb, o sucessor do Hubble, que tem lançamento previsto para 2020. Se tudo correr conforme o planejado, o James Webb poderá estudar a composição química da atmosfera de alguns dos exoplanetas descobertos pelo Tess, buscando por sinais de vida e por planetas habitáveis.

Em 50 ou cem anos, talvez até antes disso, será possível enviar foguetes-robôs miniaturizados, capazes de chegar até os planetas mais promissores para estudá-los diretamente. Com isso, teremos evidência direta de vida extraterrestre e, quem sabe, de possíveis mundos para onde a humanidade poderá expandir sua presença.

O interessante é que esses minifoguetes usarão justamente a técnica de velejo espacial a que me referi acima, sendo capazes de alcançar 20% da velocidade da luz, acelerando de zero a 60 mil quilômetros por segundo em apenas dois minutos. (Vale a pena ler esses números outra vez!) Com essa técnica, os minifoguetes podem chegar até as estrelas mais próximas ao Sol em cerca de 20 anos.

Na exploração da Terra e do espaço, a humanidade divide uma visão comum, que combina curiosidade com sobrevivência. A expansão da nossa presença até outros mundos, mesmo que demore ainda um século ou mais, me parece inevitável.

No meio tempo, é essencial não nos esquecermos do nosso mundo que, até descobrirmos outro com características semelhantes, é o único onde podemos sobreviver. Nosso olhar só pode se estender até as estrelas porque temos um chão para nos apoiar.



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here