Não há novidade em dizer que toda a região em torno do polo Norte –Alasca, Groenlândia, Svalbard, Rússia– está esquentando com o dobro da velocidade do restante do planeta.

O povo pode não prestar atenção, como de hábito. Mas os cientistas sabem disso há bastante tempo, e até eles estão surpresos com a velocidade da mudança climática por lá.

Neste inverno, o Ártico enlouqueceu. Numa época em que o sol não se levanta, bateu o recorde de temperaturas positivas: 61 horas seguidas. A marca anterior era de 16 horas.

Se isso não for capaz de chocar o leitor, como deveria, aqui vai outra forma de apresentar essa anomalia: o termômetro registra 10°C a 20°C acima do que seria normal para a estação.

Na semana que passou, choveu em Svalbard, a meros 1.300 km do polo, onde é no mínimo incomum chover no inverno. A temperatura subiu a 3°C, enquanto a Europa mergulhava na onda de frio que se apelidou de Fera do Leste.

O mar ao norte da Groenlândia ficou livre de gelo, outra raridade num mês de fevereiro. Especialistas acompanham por satélite a extensão do gelo marinho –a famosa calota polar– e vêm medindo em 2018 a menor cobertura durante o inverno.

Há boas razões para crer que se iniciou uma reação em cadeia.

Com a sucessiva redução da calota nas últimas décadas, o gelo que sobra de um ano para outro torna-se cada vez menos espesso. Ele se quebra e dispersa rápido sob a ação de tempestades mais frequentes e poderosas, vindas do sul, que levam ar quente para as imediações do polo.

O gelo, branco, reflete grande parte da luz do sol (diz-se que ele tem um albedo alto). Já a água do mar exposto quando a calota desaparece, escura, absorve radiação e se aquece. Menos gelo se forma, e assim por diante.

Alguns pesquisadores preveem que em breve o Ártico ficará livre de gelo no verão. Consideram o processo irreversível nos próximos séculos. Seria o “novo normal”, expressão que se populariza.

Habitantes de outras partes do planeta talvez considerem que a transformação do Ártico pouco afeta suas vidas. Quando muito se compadecem do destino dos ursos polares, coitadinhos, que precisam da calota polar para caçar focas desavisadas.

Estão errados. O clima global é um sistema todo interconectado. O que acontece no Ártico não fica no Ártico.

A muralha de ar enregelante que se assenta sobre o polo ganha buracos, por onde escapam massas de ar frio que turbinam os invernos rigorosos na América do Norte e na Europa. Há evidências de que a mudança do clima ártico desencadeia as secas que assolam a Califórnia, por exemplo.

Quem circula pelas ruas de Oslo vê uma quantidade enorme de carros elétricos. Na Alemanha, cogita-se banir os carros a diesel de Stuttgart, cidade natal da Daimler Benz.

A Índia segue o caminho da China e começa a rever o consumo de carvão. Para tanto, passa a investir pesado em fontes alternativas de energia, eólica e solar.

O mundo está mudando, embora não no ritmo necessário. Enquanto isso, o Brasil anda para trás.

O desmatamento, ainda a nossa maior fonte de emissões de gases do efeito estufa, dá sinais de recrudescer –e o Supremo Tribunal Federal, mesmo assim, chancela um Código Florestal que anistiou quem devastou floresta ilegalmente.

Atrasos têm consequências funestas, aprenderemos logo.



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here