No início de setembro, o valor de mercado da Amazon passou brevemente de US$ 1 trilhão, apenas um mês depois de a Apple ter se tornado a primeira empresa de capital aberto do mundo a conquistar esse mesmo feito. Ambas empresas de tecnologia cresceram nos últimos anos, mas até quando esse crescimento vai manter o ritmo?


Apple e Amazon são profundamente diferentes entre si.


A primeira é uma empresa de tecnologia que também dita moda no mercado de consumo. Seus dispositivos muitas vezes se tornam gadgets cobiçados, e parte dos consumidores se dispõe a pagar bem mais por eles do que pelos produtos concorrentes.


Já a Amazon, por sua vez, é acessada por consumidores que querem comprar produtos mais baratos, com mais facilidade ou com mais rapidez.


Desde que o primeiro iPhone começou a ser vendido, em 2007, as ações da Apple subiram 1100% e cresceram em quase um terço de seu valor no ano passado.


E a Amazon é uma gigante do varejo online que manteve um crescimento contínuo em seu preço de ações, sendo que seu valor de mercado subiu impressionantes US$ 100 bilhões no intervalo de apenas 16 dias.


Em contraste, a Apple precisou de 622 dias para repetir esse feito.


Embora Apple e Amazon ofertem produtos e serviços diferentes entre si, ambas são empresas de tecnologia cujas ações têm a melhor performance dentro do setor conhecido como FAANG (sigla que engloba as gigantes Facebook, Apple, Amazon, Netflix e Google).


Qual das empresas têm a melhor perspectiva de longo prazo? A BBC News traça uma análise de áreas-chave de cada uma delas:


Vendas de aparelhos



















Tradicionalmente, a maior parte da receita da Apple vem da venda de aparelhos, sobretudo iPhone, iPad, iMac e iPod.


A Apple tem apenas 14% do mercado global de smartphones, mas receitas bastante superiores às de seus concorrentes próximos. Segundo a consultoria Strategy Analytics, no primeiro trimestre de 2018, a Apple teve receita de US$ 61 bilhões, contra US$ 19 bilhões da Samsung e US$ 8 bilhões da Huawei, por exemplo.


“A dependência da Apple quanto aos aparelhos (com seu sistema operacional) iOS tem sido seu ponto forte, mas avançar (em relação a isso) é seu maior desafio, uma vez que as oportunidades para crescer sua base de usuários são limitadas”, diz à BBC Windsor Holden, chefe de consultoria da empresa Juniper Research.


“Não prevemos declínio nas receitas, mas a oportunidade de gerar receitas novas significativas diminuirá com o tempo, à medida que a Apple aumenta sua dependência em criar valor adicional para os consumidores já existentes.”


A Amazon teve desmpenho inferior ao esperado nos últimos cinco anos no que diz respeito aos seus dispositivos – como os e-readers Kindle, os tablets Kindle Fire e os alto-falantes sob comando de voz Echo -, mas analistas dizem que a empresa pode se dar a esse luxo.


“A Amazon consegue sustentar um modelo em que sacrifica as margens (de lucro) nos aparelhos, porque gera receita com serviços e conteúdo”, explica Roberta Cozza, analista da consultoria Gartner.


Em 2017, houve 1,5 bilhão de remessas de smartphones ao redor do mundo, segundo a Juniper Research. Mas o crescimento dessas remessas deve diminuir de ritmo nos próximos cinco anos, uma vez que a maioria dos consumidores nos mercados ocidentais já têm esses aparelhos.




















A Apple também vai enfrentar grande competição, em todas as regiões, de fabricantes chinesas de smartphones, as quais estão lançando aparelhos premium e cheios de recursos e mais baratos do que os da Apple e Samsung.


“Em um cenário competitivo, com alto nível de commoditização e baixos custos, é arriscado para a Apple depender excessivamente da venda de hardware”, diz Cozza.


Lares conectados


Uma área-chave de potencial crescimento é nos aparelhos que tornam nossas casas mais “inteligentes”.


Tanto Apple quanto Amazon desenvolveram assistentes virtuais de Inteligência Artificial e alto-faltantes sem-fio, mas nesse aspecto a Amazon tem uma vantagem clara.


A assistente da Apple é Siri, e a empresa recentemente lançou o alto-falante Home Pod. A assistente virtual da Amazon é a Alexa, e a linha de alto-falantes é a Echo.




















O Home Pod é focado em prover uma experiência musical, enquanto a Amazon quer que seus clientes usem o Echo para acender as luzes de casa e gerenciar sua vida cotidiana.


E o Echo já tem uma penetração muito maior em lares do que o Home Pod.


“Pessoas da indústria dizem que é muito mais fácil trabalhar com a Amazon, por se tratar de um ecossistema muito mais aberto”, diz Holden. “É mais fácil para terceiros criarem apps para o Alexa, (enquanto) a Apple costuma ser quase defensiva em seu controle sobre o ecossistema do iOS.”


Cozza concorda. Ela diz que a Amazon tem sido muito proativa em promover a utilidade do Echo em lares, empresas e carros, diferentemente da Apple, que também tem menos parcerias.


Serviços


No que diz respeito a serviços, as ofertas de Apple e Amazon diferem consideravelmente entre si. A Amazon é focada sobretudo em e-commerce, mas, além de produzir aparelhos próprios, vende também apps e tem um serviço de computação na nuvem para empresas, chamado Amazon Web Services (AWS), além de oferecer conteúdo exclusivo via streaming com o Prime Video.


O AWS tem sido particularmente lucrativo – suas vendas saltaram em 49%, para US$ 6,1 bilhões, no segundo trimestre de 2018, e seu lucro operacional subiu para US$ 1,64 bilhão, contra US$ 916 milhões no mesmo período do ano passado.


A Juniper estima que o mercado de computação na nuvem para softwares, plataformas e infraestrutura de serviços vai valer mais de US$ 145 bilhões por volta de 2020, e a Amazon é a principal empresa desse mercado, com um terço dele.




















“A força da Amazon no (mercado de) nuvem tem sido, historicamente, sua habilidade de atrair uma enorme variedade de clientes, de grandes corporações como a Netflix a consumidores individuais”, afirma Holden.


“Avançando nisso, a empresa será um importante agente no movimento da Internet das Coisas, particularmente diante de suas ferramentas e habilidade de prover serviços de ponta.”


A Apple, por sua vez, foca sua energia, além de nos dispositivos, no serviço de streaming Apple Music, no serviço de pagamentos Apple Pay e na venda de apps e canções pela loja virutal iTunes. E tem o potencial para desenvolver outros serviços.


“A Apple tem outras avenidas – tecnologia imersivas em educação, tecnologia ‘wearable’ e na área de saúde”, afirma Cozza. “Acho que ainda há muitos serviços e oportunidades nos quais a empresa pode crescer.”


Crescimento de longo prazo


Ambas gigantes têm negócios extremamente bem-sucedidos, a ponto de cada uma ter valor equivalente a 25 grandes empresas americanas.




















Mas qual delas terá o maior potencial de crescimento no longo prazo?


Para Neil Saunders, diretor-gerente da empresa de análises GlobalData Retail, ambas empresas devem continuar crescendo, mas a um ritmo diferente.


“Ambas são muito admiradas, mas há preocupações de que a Apple não consiga continuar a vender seus iPhones tão fortemente, em um ambiente em que há muito mais concorrência”, diz Saunders à BBC.


O crescimento do preço das ações da Apple teve diversas pausas e retomadas, prossegue ele. A empresa talvez precise de um novo produto inovador e um novo mercado massificado onde vendê-lo, caso contrário seu crescimento deve estagnar.


Já a Amazon, como companhia mais jovem do que a rival, ainda não tem uma presença estabelecida em muitos países, o que lhe dá mais espaço para crescer do que a Apple – já dona de uma base de clientes global.


“A Amazon é mais atuante no mercado de massas do que a Apple – em algumas instâncias, você poderia usar a Amazon diariamente”, agrega. “Com a Apple, você compraria um produto por ano. A Amazon tem maior potencial de escalonar isso.”


Em contrapartida, ambas empresas se tornaram tão grandes que hoje enfrentam a ameaça de regulação de diversos governos, além de pressão internacional para que paguem mais impostos sobre suas receitas multimilionárias.


Ainda assim, o consenso entre analistas é de que o avanço de Apple e Amazon dificilmente será contido no curto prazo.


“As duas empresas enfrentam questões relacionadas a regulações e impostos. Mas se a questão é uma briga direta entre Amazon e Apple, considerando que a primeira tem todos esses fortes laços atados a ela, acho que no fim das contas minha opinião é de que a Amazon vai vencer”, aposta Saunders.



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here