As ações do Facebook operam em alta nesta quarta-feira (28), após a empresa ter acumulado nos últimos sete pregões uma redução de US$ 95 bilhões em seu valor de mercado, na esteira do escândalo do uso não consentido das informações de mais de 50 milhões de usuários da rede social por uma empresa que trabalhou para a campanha de Donald Trump à presidência dos Estados Unidos.

Por volta das 12h50, os papéis do Facebook subiam 0,58%, vendidas a US$ 152,87. Mais cedo, a empresa anunciou a implantação em seu aplicativo de um atalho de privacidade. Por meio dele, os usuários conseguem achar de forma mais fácil os dados que compartilham com a rede social –até então, as pessoas tinham que navegar por 20 páginas. Também é possível baixar essas informações e até excluí-las.

Entre o dia 16 deste mês, último pregão antes da revelação do vazamento de dados, e esta terça-feira (27), as quedas sucessivas das ações da empresa fizeram seu valor de mercado desabar US$ 95,487 bilhões.

Nesse período, o Facebook foi a empresa que mais “encolheu” na Bolsa dos EUA. A desconfiança em torno do modelo de negócio da empresa, altamente concentrada nos dados de seus usuários, puxou o desempenho de outras empresas de tecnologia, como Alphabet (Google), Apple, Microsoft e Amazon, as chamadas Big Tech.

Veja abaixo as perdas em valor de mercado das dez empresas mais valiosas, segundo dados do fechamento do dia 27):

Em 17 de março, os jornais “New York Times” e “Guardian” revelaram que os dados de mais de 50 milhões de usuários do Facebook foram usados sem o consentimento deles pela Cambridge Analytica. A empresa de análise de dados acessou esse grande volume de dados após um teste psicológico que circula na rede social coletar as informações. Os dados recolhidos não eram apenas os de usuários que fizeram o teste, mas também os de seus amigos.

O escândalo cria dúvidas quanto à transparência e à proteção de dados dos usuários do Facebook. A rede social comunicou que investigaria o caso. O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, reconheceu que a emprese cometeu erros.

A empresa Cambridge Analytica trabalhou ainda com a equipe responsável pela campanha de Donald Trump à Presidência dos Estados Unidos, nas eleições de 2016. Também foi contratada pelo grupo que promovia a saída do Reino Unido da União Europeia.

Ao admitir que a empresa cometeu erros, Zuckerberg também citou medidas de segurança que serão adotadas pela rede social para evitar que empresas usem os dados dos usuários. São elas:



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here