Recentemente, dei uma palestra num evento empresarial para 200 executivos da área de seguros. Mesmo que tenha ocorrido fora do Brasil, minha experiência é que as coisas não teriam sido muito diferentes em qualquer cidade brasileira.

Meu objetivo era inspirar o grupo a embarcar numa reflexão bem macro, provocando-os gentilmente com perguntas de caráter existencial que, na correria do dia a dia, tendemos, convenientemente, a deixar de lado.

Os organizadores pediram que falasse sobre nosso lugar no universo, sobre o que as descobertas da ciência moderna têm a nos dizer sobre nossas origens cósmicas e nossa busca por sentido, sobre nossa função como espécie pensante, e sobre nosso futuro na Terra.

Comecei explicando que somos criaturas flanqueadas por dois momentos essenciais no tempo, e que a história de nossas vidas se dá dentre eles, o nascimento e a morte. Da mesma forma, as estrelas no universo também têm suas histórias, com um começo e um fim.

Considero a consciência que temos da passagem do tempo nossa característica mais marcante: sabermos que existimos e que nossa existência inevitavelmente chega ao fim. (Quando disse isso, percebi que alguns dos executivos sorriram, provavelmente os que trabalham na área de seguros de vida.)

Argumentei que muito da criatividade humana, os poemas e sinfonias, a literatura, as ciências e as ideias filosóficas, a soma de nossas obras culturais, pode ser vista como uma resposta ao fato de sermos criaturas cientes de nosso destino.

São tentativas, de alguma forma, de colorir a existência com o que temos de melhor, fazendo cada dia valer a pena. O amor, o sexo, o poder e as relações são as placas ao longo do caminho que, durante nossas vidas, nos levam nessa ou naquela direção. Afinal, somos produtos de nossas escolhas, boas ou más.

Continuei discutindo a questão das origens do universo, das estrelas e da vida, explicando que todas as culturas que existiram e existem, dos egípcios aos maias, dos ianomâmi à ciência moderna, ofereceram uma narrativa da criação, uma tentativa de entender de onde veio tudo o que há no mundo, inclusive o próprio.

Olhar para as estrelas numa noite sem lua, longe das luzes da cidade e ver tantas delas nos faz querer saber se existem outras criaturas vivendo em outros planetas, com luas ao redor, ao mesmo tempo semelhantes e diferentes de nós.

Será que estão, também, olhando para as estrelas, se questionando se estão sozinhas no Cosmo? E que tipo de inteligência teriam? Individual, coletiva, máquinas que ultrapassaram a fase da carne e osso? Ou algo de completamente novo e insuspeitado por nossas mentes?

Quando pensamos que, apenas na nossa galáxia, existem em torno de 200 bilhões de estrelas, o Sol sendo apenas uma delas, fica difícil não imaginar essas coisas, especialmente agora que sabemos que a maioria desses astros têm planetas girando ao seu redor, e que muitos têm luas. São, portanto, trilhões de mundos lá fora, cada qual único, com sua história e possibilidades.

Mostrei imagens belíssimas, tiradas pelo Telescópio Espacial Hubble e por outros, de robôs motorizados rondando pela superfície de Marte, fotos de outros mundos, revelando seus segredos. Todas elas máquinas controladas por cientistas e engenheiros aqui na Terra.

Sugeri à minha audiência que essas máquinas maravilhosas, que tanto nos revelam sobre o universo e, por consequência, sobre nós, deveriam ser celebradas como grandes feitos da humanidade, ao lado das pirâmides, das catedrais medievais, da arquitetura de Brasília ou de Barcelona, da Mona Lisa e das sinfonias de Mahler e das canções dos Beatles e de Tom Jobim.

Expliquei que, ao contrário do que muitos pensam, e como argumento em meus livros “A Ilha do Conhecimento” e “A Simples Beleza do Inesperado”, quanto mais aprendemos sobre o Universo, mais relevantes ficamos, máquinas moleculares que somos, capazes de pensar e de descobrir aspectos da realidade muito além da nossa percepção.

Tentei, com palavras e imagens, celebrar a criatividade humana e a beleza austera do universo, ambos capazes de criar e destruir com inacreditável beleza e fúria. Argumentei que o trágico e o sublime são, como as duas faces de Janus, aspectos inseparáveis da existência, partes do mesmo todo. Argumentei ainda que somos relevantes por sermos únicos, que somos criaturas especiais justamente por não termos sido criadas como parte de algum plano maior.

Terminei explicando que é justamente por sermos únicos no Universo, por nosso planeta ser único na galáxia, que devemos nos unir como espécie e lutar pela nossa sobrevivência e a da Terra, indo além das divisões tribais que dominaram e que dominam até hoje nossa história coletiva, e que tanto destroem.

Ao fim disso tudo, tão inexorável quanto a passagem do tempo, veio a pergunta inevitável: “Mas, afinal, o senhor acredita ou não em Deus?”



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here