Nunca imaginei que veria a ditadura militar (1964-1985) cair, nem o Muro de Berlim, nem as Torres Gêmeas de Nova York. É fácil imaginar, porém, que um processo irreversível de derrubada da floresta amazônica tenha início com a ascensão de Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência.

Nem é bom lembrar tudo o mais que o país acabará perdendo caso as intenções de voto apuradas em pesquisas se confirmem nas urnas. Gente mais competente já falou e escreveu sobre isso –e de nada adiantou.

Melhor manter o foco no nicho ecológico do jornalismo de ciência e ambiente, habitat ora em risco de extinção. Quem não ficar de cabelos em pé com o que vem para frente –ou abaixo– está desinformado, mal-intencionado ou só sabe do que vê em grupos de WhatsApp.

Bolsonaro e seu bando deixaram claro qual é o programa antiecológico. Acabar com o Ministério do Meio Ambiente, garrotear Ibama e ICMBio e pô-los sob a pata dos bois num Ministério do Agro é Tudo sob o comando da UDR? Só o começo.

Dá medo pensar no que pode fazer com a Funai. Mais terra para índios indolentes, como diria o general Mourão? Fora de cogitação. Antes vender as que já existem.

Voltamos 30 anos no tempo, quando se dizia que terras indígenas iriam criar países independentes encravados no solo nacional. Ou que a criação de unidades de conservação levaria à perda de soberania num “Território Internacional Anteriormente Conhecido como Amazônia Brasileira” –o espantalho do “corredor ecológico” de milhões de quilômetros quadrados reconstruído por Bolsonaro.

A diferença: hoje muito mais gente, milhões de pessoas, parece acreditar nessas asneiras da direita mais tacanha. Ou quer acreditar. Escolheu acreditar.

Na semana em que o Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima (IPCC, em inglês) publicou novo relatório alertando governos de que podem restar menos de duas décadas para evitar o pior do aquecimento global, em que o Nobel de Economia foi para estudiosos do impacto da transição climática e em que o furacão Michael castigou a Flórida, o que faz o mitômano?

Reafirma que vai tirar o Brasil do Acordo de Paris. Só falta dizer que o aquecimento global é uma farsa montada pelos chineses (vai ver já disse, e nós não ficamos sabendo porque estamos fora da bolha dos grupos de mensagem que lhe dão suporte).

Não tenham dúvida de que toda essa baboseira irresponsável será entendida nos grotões da Amazônia como senha para ligar as motosserras, esticar os correntões, recarregar as armas e sair à caça de posseiros, índios e quilombolas. O infame videogame em que negros e mulheres são atropelados por caminhoneiros não é só brincadeira, revela um sintoma.

Espantoso é que gerentes do mercado de capitais, de bancos e do capitalismo dito moderno, desses vegetarianos que gostam de andar de bicicleta na avenida Faria Lima e doar para ONGs para ajudar o ambiente, estejam apoiando Bolsonaro. Qual parte do que ele e seus generais falam essa gente não entende?

Cerca de 20% da floresta amazônica já foi ao chão, e pesquisas sérias estimam que a derrubada de outro tanto pode enveredá-la num caminho sem volta, numa espiral de ressecamento conhecida como “die-back”. Sem mencionar o recrudescimento dos conflitos sociais e fundiários.

O capitão reformado no Planalto, tomando o que diz por seu valor de face, está pronto para acender esses rastilhos. Se o pior acontecer na Amazônia, o pessoal da Faria Lima terá as mãos sujas de sangue e de cinzas.



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here